23/08/18, às 14 horas, Defesa da dissertação do pós-graduando João Gabriel Genova » MZUSP - Museu de Zoologia da USP
MZUSP - Museu de Zoologia da USP
9.27.18 - Ensino e formação

23/08/18, às 14 horas, Defesa da dissertação do pós-graduando João Gabriel Genova

No próximo dia 23 de agosto, quinta-feira, às 14 horas, no  Auditório das Irmãzinhas (Av. Nazaré, 470, Ipiranga, São Paulo/ SP), haverá a defesa da dissertação de mestrado do aluno João Gabriel Genova, orientado pelo Prof. Dr. Aléssio Datovo da Silva, do Programa de Pós-Graduação em Sistemática, Taxonomia Animal e Biodiversidade do Museu de Zoologia da USP, com o trabalho intitulado: “Miologia comparada e suas implicações filogenéticas para Carangidae (Teleostei: Percomorphacea: Carangiformes)”.

Caranx_cover JoãoRESUMO

A família Carangidae Rafinesque 1815 (Teleostei: Percomorphacea:
Carangiformes) é tradicionalmente reconhecida como um grupo monofilético,
tanto em hipóteses baseadas em dados moleculares quanto morfológicos. O
monofiletismo do grupo, entretanto, é sustentado por um baixo número de
sinapomorfias e suas relações internas ainda apresentam conflitos. O status
filético e inter-relações das tribos Trachinotini,Scomberoidini, Naucratini e
Caranginivariam de acordo com autores e metodologias empregadas na
reconstrução evolutiva da família. As propostas morfológicas mais recentes para
os Carangidae datam de 30 anos atrás e empregam maciçamente dados de
morfologia externa e osteologia, sendo a miologia do grupo praticamente
inexplorada. O presente estudo analisou extensamente a miologia facial, gular e
das nadadeiras peitorais, pélvicas e caudal dos Carangidae e grupos
proximamente relacionados. Novos caracteres de origem miológica foram
levantados e analisados sob um paradigma cladístico em conjunto com os
demais caracteres morfológicos disponíveis na literatura especializada. Uma
nova hipótese filogenética foi proposta e comparada com as disponíveis, tanto
baseadas em dados morfológicos como moleculares. Os novos dados miológicos
reforçam as hipóteses de monofiletismo das tribos de Carangidae, bem como a
presença de dois grandes clados irmãos, um formado por Trachinotinie
Scomberoidinie outro por Caranginie Naucratini. O estudo da musculatura
também forneceu pistas sobre o posicionamento do historicamente problemático
gênero Parastromateus dentro de Carangini. Além disso, a descrição de
complexos musculares nunca antes estudados forneceu dados sobre o a
evolução de músculos considerados erráticos em Percomorphacea e que podem
contribuir para o entendimento das inter-relações deste grande grupo.

ABSTRACT

The Carangidae Rafinesque 1815 (Teleostei: Percomorphacea:
Carangiformes) is traditionally recognized as a monophyletic group in both
morphological and molecular hypotheses. The monophyly of the family, however,
is supported by a surprisingly low number of synapomorphies and the internal
resolution of the group is contentious. The phyletic status and interrelationships of
the tribes Trachinotini, Scomberoidini, Naucratini, and Carangini vary across
different studies. The most recent morphological hypothesis for carangids dates
back to 30 years and is based solely on data from osteology and external
morphology. The myology of the family remainednearly unexplored. The present
study analyzed the facial, gular,pectoral, pelvic, and caudal muscles of carangids
and closely related outgroups. Several characters from myology were discovered
and analyzed under a cladistic paradigm. The new myological data were
combined with the morphological data available in the literature in order to
produce more robust and up to date phylogenetic hypotheses. The four traditional
carangid tribes are herein recognized as monophyletic and the family is basally
divided into two major sister clades: one comped by Trachinotini and
Scomberoidini and another by Carangini and Naucratini. Also, the historically
problematic genus Parastromateus was allocated intoaapical clade within the
Carangini. The study of the fin musculature provided insights on the occurrence of
muscles considered erratic across the Percomorphacea. Those new discoveries
might be helpful for a better understanding of the phylogenetic relationships of
thatlarge group.